quinta-feira, julho 15, 2010

...


Terminou o sofrimento da avó da minha amiga...

Como ela mesmo mo disse na mensagem que me mandou "agora temos mais uma estrelinha no céu a brilhar por nós"

É nestes casos que me pergunto o porquê que não legalizarem a eutanásia...

A senhora tinha 84 anos, diagnosticaram-lhe cancro na boca em fase terminal e não quiseram operá-la pela idade, e disseram à família que era uma questão de algumas semanas até ela morrer... e mandaram-na para casa, com uma ferida enorme na face, que de dia para dia lhe tirou todas as forças... para falar, para comer, para abrir os olhos, para respirar... centros de cuidados paliativos no nosso país não existem e a senhora estava em casa literalmente à espera da morte e a pedir para ela vir bem depressa... a família não suportava vê-la naquele sofrimento, levava-a ao hospital, davam-lhe analgésicos e mandavam-na para casa novamente.

Porque é que, em casos como estes, em que a morte é uma questão de dias até chegar e num sofrimento sem par, não podemos decidir sobre terminar com tudo antes que piore um pouco mais?

5 comentários:

Dark angel disse...

Grande questão...

Olhos Dourados disse...

POis, eu também já me perguntei isso quando a minha avó estava no hospital em coma com um AVC apenas à espera de morrer...

Sissamar disse...

Isso é realmente uma questão que valia bem a pena ser debatida na assembleia, mas pareçe que andam mais ocupados com casamentos gay e coisas do género!
É a primeira vez que visito o teu blog e não o consegui largar mais, estive aqui a manhã inteira, vi tudo de fio a pavio e chorei de tanto rir com os teus posts!
Escreves muito bem, consegues transmitir exactamente aquilo que sentes, adorei! Fiquei fã e como boa fã, vou voltar mais vezes!
Beijinhos
Silvia

dinona disse...

É tão injusto...
Eu sou a favor da eutanásia, mas sei perfeitamente que se isso fosse legalizado ia haver muita gente a querer matar os seus parentes só por serem um fardo, é do caraças, mas acho que ninguém deve sofrer assim tanto.

Kami disse...

Em casos como esse, onde já nada se pode fazer, a única coisa que eu desejava era viver num país onde se pudesse dar um fim digno às pessoas.
Mas essa questão é demasiado religiosa e é preferível ver as pessoas definhar até ao fim.

Eu vi o meu avô morrer durante anos. Nunca tinha visto sofrimento tão atroz.
É desumano deixar as pessoas nessas condições.